sábado, 21 de agosto de 2010

AUTOCONHECIMENTO como Fonte de Harmonia e Saúde

Acreditamos, em muitos momentos, que as situações de conflito e dificuldades sejam oriundas de fatos ou de atitudes pessoais exteriores a nós. As nossas primeiras tentativas são as de obter respostas para as nossas dúvidas e incertezas de alguém ou de algo exterior a nós mesmos, até que nos damos conta de que elas se encontram em nosso interior. Segundo Kant, nós nada sabemos do ‘mundo em si’, sabemos somente do ‘mundo em nós’. O ‘mundo em si’, objetivo, não nos afeta. O que nos afeta é o ‘mundo em nós’, isto é, a impressão que nós temos do mundo objetivo. Os ‘males’ da vida nos atormentam, porque são o nosso mundo subjetivo, crido pela ignorância do nosso ego. A partir do momento em que o nosso ego ignorante toma consciência do Eu sapiente, os males se dissipam. A verdadeira harmonia só é encontrada com o descobrimento de uma comunhão interna com algo maior, que é a experiência do nosso encontro com Deus. Com a consciência da presença de Deus em nós, vivenciamos tranqüilidade e paz interior. Quando repousamos nessa maravilhosa paz, o corpo torna às suas funções normais, revelando saúde perfeita e plena – dons de Deus.

À semelhança do que ocorre conosco, o sistema imunitário funciona harmoniosamente através do autoconhecimento. O termo ‘imunidade’ é derivado do latim ‘IMMUNITAS’ e se refere à isenção, oferecida aos senadores romanos, de várias obrigações cívicas durante o exercício do cargo. Historicamente, imunidade significa proteção conta doenças e, mais especificamente, doenças infecciosas.

Imunologia é a ciência que estuda a imunidade no seu sentido mais amplo, isto é, os eventos celulares e moleculares que ocorrem após o organismo entrar em contato com microorganismos tais como bactérias, fungos, vírus, ou com moléculas estranhas. Esses eventos dependem da atividade de células encontradas no sangue e em nossos órgãos linfóides. No homem e em outros mamíferos, as células do sangue surgem de um ancestral comum, de uma célula-mãe denominada ‘Stem Cell’ ou célula primordial.

Essa célula-mãe, verdadeira semente orgânica, encontra-se na medula óssea. A medula óssea é um tecido que se acha distribuído em vários ossos: esterno, vértebras, costela e fêmur. Na medula óssea, a partir da célula primordial serão originadas as células do sangue. Algumas se tornam avermelhadas e bicôncavas, denominadas glóbulos vermelhos ou hemácias; outras, de um branco transparente, assumem morfologias diversas e são denominadas glóbulos brancos ou leucócitos. No final da metamorfose, todas escoam, formando o fluido mais nobre do corpo – o sangue.

Os glóbulos brancos ou leucócitos do sangue ajudam a proteger o organismo contra doença e infecção, portanto responsáveis pela imunidade. Dentre os glóbulos brancos, encontramos os neutrófilos, monócitos e linfócitos. Os neutrófilos e monócitos combatem as infecções bacterianas englobando estes microorganismos e destruindo-os. Este processo é denominado fagocitose.

Os linfócitos podem ser divididos em dois grandes tipos, segundo necessitem ou não de um estágio de maturação no interior do timo. Os linfócitos B, que não necessitam de passagem pelo timo, podem dar origem a plasmócitos; células que secretam os anticorpos no sangue e na linfa. Os anticorpos são proteínas especiais que ajudam a bloquear a penetração de antígenos [microorganismos ou moléculas estranhas] no organismo ou, quando esta penetração ocorre, facilitam sua eliminação combinando-se em eles. Em 1974, o dinamarquês Niels Jerne propôs uma TEORIA IMUNOLÓGICA REVOLUCIONÁRIA, o que lhe valeu o premio Nobel. Jerne baseou-se na existência de anticorpos capazes de reconhecer estruturas [determinantes antigênicos] em moléculas de outros anticorpos pelo mesmo organismo. Portanto, o anticorpo que reconhece o próprio [estrutura outro anticorpo] combinar-se-á com o estranho[ex. microorganismo] resultando na eliminação do mesmo.

Na maioria das vezes, porém, a transformação para plasmócitos é controlada por um outro linfócito, denominado linfócito T, que passa pelo timo e não produz anticorpo. Os linfócitos T, que amadurecem no timo, são os regentes da orquestra nas respostas imunes. Células T imaturas, recentemente originadas de precursores na medula óssea, isto é, da célula-mãe, e comprometidas com a linhageem T, denominadas de células pré-T, migram através da corrente circulatória, fazendo uma longa viagem através da parte dos 100 quilômetros de veias e artérias presentes no corpo humano, para finalmente se alojarem no timo.

Como é que estas células que não são visíveis a olho nu percorrem um trajeto tão longo e ‘sabem’ que para cumpri sua missão deve passar pelo timo?

ð Isso implica que possuam mente e, conseqüentemente, esta está ligada à Mente Universal. Isto nos traz de volta ao antigo adágio: ‘Assim como é em cima é em baixo.’ O homem é um replica microscópica do macrocosmos. Em seu interior, ele é o universo menor, expressando a Mente Divina assim como o universo maior, com a Mente Divina a controlá-lo.


O timo é uma glândula que se situa na cavidade torácica, detrás do esterno e logo acima do coração. É um órgão que cresce até a puberdade e a segui sofre uma gradual involução. As células pré-T, recém-cheegadas ao timo, migram da parte periférica para a mais interna, isto é, da cortical para a medular, e finalmente caem na corrente circulatória como linfócitos T maduros. O processo de maturação envolve contato intimo com a matriz e células teciduais, bem como com os hormônios liberados pelo timo, como a timosina e timopoietina, estimula e timulina. Neste diálogo, as células adquirem receptores na sua superfície, que são estruturas que reconhecem o próprio e são tolerantes ao mesmo. Durante a migração intratímica, algumas células são estimuladas a proliferar e várias outras a morrer. A natureza aparentemente desperdiça uma grande quantidade de linfócitos antes de selecionar aqueles que vão constituir o sistema linfóide, assegurando que apenas os linfócitos T, que fazem o reconhecimento do próprio e tolerantes ao mesmo deixem o timo. Portanto, o sistema imune não está voltado para fora do corpo à espera de contatos eventuais com materiais estranhos, mas para si mesmo. Este fenômeno biológico demonstra um sistema cognitivo organizado onde é fundamental o reconhecimento do próprio, não se permitindo a manipulação ao acaso pelo ambiente.

Os linfócitos T então maduros saem do timo, caem novamente na corrente circulatória e se alojam nos órgãos linfóides, especialmente baço e gânglios linfáticos,embora certo numero delas esteja sempre presente no sangue. A partir daí, os linfócitos T estão prontos para cumprir sua missão cósmica: manter o equilíbrio do sistema imune pelo reconhecimento do próprio. Nada ou ninguém reconhece algo totalmente estranho ou desconhecido. Pelo principio da dualidade, sabemos o que é o dia se vivenciamos a noite. Da mesma forma o linfócito T reconhece materiais estranhos ou microorganismos ao mesmo tempo que reconhece a si próprio. O receptor na superfície do linfócito T, que foi adquirido durante o processo de maturação, é dual, reconhece simultaneamente o próprio e o estranho.

Com o reconhecimento do estranho no contexto do próprio pelo receptor do linfócito T [estranho e próprio correspondendo às duas pontas do triangulo] ocorre a ativação desta célula, com liberação de substancias que irão estimular outras células do sistema imune para que o agente estranho seja eliminado. Com a manifestação, temos a terceira ponta do Triangulo que representa a criação perfeita.

Em nosso âmago repousa o reino desconhecido, a Divindade não reconhecida. É indispensável que nos habituemos a ultrapassar a nossa habitual consciência objetiva, que constitui o nosso pequeno ego, e entremos na zona da consciência Cósmica, do nosso grande Eu divino.

_

[Texto de Irmtraut Araci H.Pfrimer, DSC].

A NECESSIDADE DE AGRADECER

‘A dádiva da vida e da consciência’.

_

Neste exato momento em que o mundo parece perturbado por pensamentos destruidores, pela inquietude por nossas posses mundiais, por nossas bênçãos mundiais, e pela ansiedade a respeito daquilo que pensamos que precisamos e devemos ter, há uma coisa que não devemos negligenciar, e está é a dádiva de que desfrutamos sob forma de vida e consciência. Assim sendo, nossa maior necessidade nos tempos atuais é a de uma apreciação mais profunda daquilo que temos tido e daquilo de que ainda desfrutamos.

Se pararmos e pensarmos por um momento, perceberemos que há uma coisa fantástica na vida que não pode ser comprada, não pode ser artificialmente fabricada, não pode ser decretada por nenhum ato governamental, não pode ser legislada nem ser suprida humanamente. Essa coisa fantástica é a própria vida. Podemos melhorar nossa saúde, podemos fazer coisas para aumentar nossa longevidade, podemos ser capazes de adquirir ou criar coisas que tornem esta vida temporariamente feliz, mas todas estas coisas dependem do primeiro requisito fundamental – a vida mesma.

Sem vida não há necessidade de saúde; sem vida não há necessidade de felicidade e paz; sem vida não há necessidade de qualquer das coisas que o homem criou ou que os impérios organizaram ou que o homem possa imaginar. E, no entanto, a vida nos é dada abundantemente pelo Deus do nosso coração, o Pai de todos nós. Ela é algo que não pedimos no começo; é algo que não podemos controlar no fim. É algo que é dado a todos nós igualmente, independente de credo, religião, posição social ou formação educacional.

O mais humilde homem sobre a terra desfruta da vida, em toda sua essência vital, tão livremente quanto aqueles de grande poder e posses e conquistas materiais. E, no entanto, os que têm abundantemente das coisas terrenas acham essas posses absolutamente sem valor quando chega aquele momento em que a vida parece prestes a se esvair, e a ser tirada tão livremente quanto foi dada.


OS DOIS GRANDES MISTÉRIOS

Dos dois grandes mistérios que deveriam chamar nossa atenção mais que qualquer outra coisa no mundo, o primeiro é aquele do inicio e da dádiva da vida que recebemos, e o segundo é o da sua retirada e sua existência ulterior. Entre estes dois eventos – a criação da vida e a sua transição desse corpo terreno – estão todos os excitamentos e fascinações de importância menor aos quais o ser humano dá proeminência, aos quais dedica a maior parte de seus pensamentos, e para a aquisição dos quais ele até sacrifica a si mesmo e à sua vida.

E quando falo da vida que nos é dada como seres humanos, eu deveria incluir e de fato incluirei também a vida que é dada às flores, às árvores, às gramas, ao trigo e aos grãos e a todas as plantações, e a todas as coisas que vivem e crescem e nos dão sustento e nutrição em abundância. Nem uma só dessas coisas, nenhuma dessas dádivas de Deus, é controlável pelo homem. Contudo, cada uma delas é um presente espantoso, miraculoso, a que raramente damos a devida apreciação e gratidão.

Por isso, lembremo-nos sempre de ser gratos pela mais abundante de todas as dádivas – a dádiva da vida e tudo o que vive. E expressemos esse agradecimento não só nas Igrejas e Templos, ou nas cerimônias religiosas e festivas. Expressemos nosso agradecimento não apenas num único dia do ano mas pela vida afora. Vamos expressá-lo de modo menos ritualístico, de forma menos cerimonial, mas com verdadeira sinceridade em nosso coração e de uma maneira que transmita aos outros uma nota de alegria, uma nota gratifica.

Uma palavra gentil ou um sorriso gentil dado a uma outra vida é um dos melhores meios de expressarmos nossa apreciação. Fazer os outros sentirem que somos muito felizes porque temos vida, que desejamos que eles sejam felizes graças a e com a mesma vida, é um modo verdadeiramente adequado de expressarmos nossa gratidão; ajudar outras pessoas a encontrar a solução para seus problemas ou a detectar as coisas que as tornam infelizes, é uma outra maneira; mas com certeza o modo mais definitivo é sentir em nosso próprio coração, e permitir que saia de nossos lábios, uma palavra de agradecimento e apreciação ao Deus e Pai de toda a criação.

Nessa maior apreciação da vida, tornar-nos-íamos menos dispostos a destruir a vida, a maltratar a vida ou a torná-la mas triste para os outros. Por essa razão, igualmente, todos os pensamentos de guerra cessariam e todos os pensamentos de destrutividade desnecessária chegariam a um fim. Mas suplantamos nossa gratidão e apreciação com inveja e desejos de poder materialista...

Se uma grande parte do mundo e sua população pudesse entrar verdadeiramente num espírito de gratidão pela vida em si, então a inquietação numa grande porção do globo, e o desejo por coisas que só podem ser conseguidas através da destruição da vida, chegariam ao fim e deixariam de ser.

_

[Texto de H.S.L _Imperator]

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Teorias da conspiração: mito ou realidade?

"Teoria da conspiração" é a denominação atribuída às idéias paranóicas sobre a existência de ações clandestinas, patrocinadas por agentes adversos, a nos causarem grande prejuízo e destruição. Tais concepções são condenadas ao ostracismo e seus defensores expostos ao ridículo, pois essas teorias são produzidas por mentes doentias e sua única utilidade é a criação de histórias de ficção. Exemplos dessas mentiras estão por toda a parte e, no Brasil, multiplicam-se exponencialmente em ano de eleição presidencial.

O que pouca gente sabe é que as principais potências mundiais dão enorme importância às teorias da conspiração e possuem estruturas muito especializadas nesse mister - seus serviços de inteligência. Isso significa que teorias da conspiração constituem terreno nebuloso e potencialmente perigoso. É justamente por esse motivo que não se mencionará aqui nenhuma teoria da conspiração em especial porque, como todos sabemos, elas não existem, não é mesmo?

Entretanto, algumas sutilezas que sempre passam despercebidas merecem especial atenção. Assim, deve-se suspeitar da impunidade institucional, pois ela não é apenas mera conseqüência de deficiências estruturais generalizadas, mas sim a promiscuidade de autoridades com o poder e a pior manifestação da corrupção dos tribunais. Deve-se suspeitar de autoridades e governantes que sempre afirmam que tudo está dentro da normalidade e sob controle, pelo simples fato de que isso é mentira. Deve-se suspeitar de infiltração por organizações criminosas em projetos e empreendimentos obscuros, notadamente os de interesse nacional que, a despeito do grande esforço, tempo e recursos envidados, nunca dão certo. Deve-se suspeitar, sim, de ações clandestinas e da atuação de serviços de inteligência estrangeiros nas tragédias e graves "acidentes", particularmente os que atingem setores estratégicos do poder nacional, que geralmente custam vidas de pessoas inocentes, cujas apurações nunca apontam culpados e que são rapidamente esquecidos.

Por fim, mais que suspeita é a certeza de que estes últimos casos sempre encobrem crimes de traição à pátria e à soberania nacional, perpetrados nos mais elevados escalões governamentais.

Portanto, proteger-nos contra essas ameaças é a razão de ser dos serviços de inteligência nacionais, guardiões do estado e da sociedade brasileira. Todavia, a eficiência dessas organizações no país é bastante discutível. Basta relembrar algumas contingências nacionais recentes, pois nossos serviços de inteligência foram incapazes de prever invasões criminosas que vitimaram o próprio Congresso Nacional; o caos da aviação brasileira, que comprometeu a segurança dos vôos no país, entre 2006 e 2007; a ocupação da sensível usina hidrelétrica de Tucuruí, que vulnerabilizou o abastecimento nacional de energia; a destruição de centros de pesquisa da Embrapa, que comprometeu o nosso desenvolvimento científico-tecnológico; os ataques da organização criminosa PCC, que dominou e atemorizou completamente todo estado de São Paulo, em 2006; e não descobriram absolutamente nada sobre o grampo ilegal do qual foram vítimas o senador Demóstenes Torres e o então Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, em 2008, que ameaçou as instâncias máximas dos poderes da República.

O resultado de tudo isso, hoje? Uma Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) que continua incógnita, onerosa e sem controle; a impunidade do mais grave escândalo nacional de inteligência, cujos culpados nunca foram realmente apontados; e a inação e rápido esquecimento das autoridades nacionais sobre fatos dessa gravidade.

O que realmente está acontecendo? Certamente, nada. Tudo está rigorosamente dentro da normalidade e sob controle. Afinal, como todos nós sabemos, teorias da conspiração não existem, não é mesmo?

_

[Texto de André Soares]

A Carta da Terra

PREÂMBULO
Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que no meio da uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que, nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações.

Terra, Nosso Lar
A humanidade é parte de um vasto universo
em evolução. A Terra, nosso lar, está viva com uma comunidade de vida única. As forças da natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade da vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todas as pessoas. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.

A Situação Global

Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, redução dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e o fosso entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e é causa de grande sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.

Desafios Para o Futuro
A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros, ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida. São necessárias mudanças fundamentais dos nossos valores, instituições e modos de vida. Devemos entender que quando as necessidades básicas forem atingidas, o desenvolvimento humano é primariamente ser mais, não, ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos ao meio ambiente. O surgimento de uma sociedade civil global está criando novas oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos desafios, ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados, e juntos podemos forjar soluções includentes.

Responsabilidade Universal
Para realizar estas aspirações devemos decidir viver com um sentido de responsabilidade universal, identificando-nos com toda a comunidade terrestre bem como com nossa comunidade local. Somos ao mesmo tempo cidadãos de nações diferentes e de um mundo no qual, a dimensão local e global estão ligadas. Cada um comparte responsabilidade pelo presente e pelo futuro, pelo bem estar da família humana e do grande mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade humana e de parentesco com toda a vida é fortalecido quando vivemos com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo presente da vida, e com humildade considerando o lugar que ocupa o ser humano na natureza.


Necessitamos com urgência de uma visão de valores básicos para proporcionar um fundamento ético à emergente comunidade mundial. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes princípios, todos interdependentes, visando um modo de vida sustentável como critério comum, através dos quais a conduta de todos os indivíduos, organizações, empresas de negócios, governos, e instituições transnacionais será guiada e avaliada.

PRINCÍPIOS

I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DE VIDA

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.
a. Reconhecer que todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor, independentemente do uso humano.
b. Afirmar a fé na dignidade inerente de todos os seres humanos e no potencial intelectual, artístico, ético e espiritual da humanidade.


2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.
a. Aceitar que com o direito de possuir, administrar e usar os recursos naturais vem o dever de impedir o dano causado ao meio ambiente e de proteger o direito das pessoas.
b. Afirmar que, o aumento da liberdade, dos conhecimentos e do poder comporta responsabilidade na promoção do bem comum.


3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.
a. Assegurar que as comunidades em todos níveis garantam os direitos humanos e as liberdades fundamentais e dar a cada a oportunidade de realizar seu pleno potencial.
b. Promover a justiça econômica propiciando a todos a consecução de uma subsistência significativa e segura, que seja ecologicamente responsável.


4. Garantir a generosidade e a beleza da Terra para as atuais e as futuras gerações.
a. Reconhecer que a liberdade de ação de cada geração é condicionada pelas necessidades das gerações futuras.
b. Transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apóiem, a longo termo, a prosperidade das comunidades humanas e ecológicas da Terra.
Para poder cumprir estes quatro extensos compromissos, é necessário:

II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA
5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial preocupação pela diversidade biológica e pelos processos naturais que sustentam a vida.
a. Adotar planos e regulações de desenvolvimento sustentável em todos os níveis que façam com que a conservação ambiental e a reabilitação sejam parte integral de todas as iniciativas de desenvolvimento.
b. Estabelecer e proteger as reservas com uma natureza viável e da biosfera, incluindo terras selvagens e áreas marinhas, para proteger os sistemas de sustento à vida da Terra, manter a biodiversidade e preservar nossa herança natural.
c. Promover a recuperação de espécies e ecossistemas em perigo.
d. Controlar e erradicar organismos não-nativos ou modificados geneticamente que causem dano às espécies nativas, ao meio ambiente, e prevenir a introdução desses organismos daninhos.
e. Manejar o uso de recursos renováveis como a água, solo, produtos florestais e a vida marinha com maneiras que não excedam as taxas de regeneração e que protejam a sanidade dos ecossistemas.
f. Manejar a extração e uso de recursos não renováveis como minerais e combustíveis fósseis de forma que diminua a exaustão e não cause sério dano ambiental.


6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e quando o conhecimento for limitado, tomar o caminho da prudência.
a. Orientar ações para evitar a possibilidade de sérios ou irreversíveis danos ambientais mesmo quando a informação científica seja incompleta ou não conclusiva.
b. Impor o ônus da prova àqueles que afirmam que a atividade proposta não causará dano significativo e fazer com que os grupos sejam responsabilizados pelo dano ambiental.
c. Garantir que a decisão a ser tomada se oriente pelas conseqüências humanas globais, cumulativas, de longo termo, indiretas e de longa distância.
d. Impedir a poluição de qualquer parte do meio ambiente e não permitir o aumento de substâncias radioativas, tóxicas ou outras substâncias perigosas.
e. Evitar que atividades militares causem dano ao meio ambiente.


7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário.
a. Reduzir, reutilizar e reciclar materiais usados nos sistemas de produção e consumo e garantir que os resíduos possam ser assimilados pelos sistemas ecológicos.
b. Atuar com restrição e eficiência no uso de energia e recorrer cada vez mais aos recursos energéticos renováveis como a energia solar e do vento.
c. Promover o desenvolvimento, a adoção e a transferência eqüitativa de tecnologias ambientais saudáveis.
d. Incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço de venda e habilitar aos consumidores identificar produtos que satisfaçam as mais altas normas sociais e ambientais.
e. Garantir acesso universal ao cuidado da saúde que fomente a saúde reprodutiva e a reprodução responsável.
f. Adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e o suficiente material num mundo finito.


8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover a troca aberta e uma ampla aplicação do conhecimento adquirido.
a. Apoiar a cooperação científica e técnica internacional relacionada à sustentabilidade, com especial atenção às necessidades das nações em desenvolvimento.
b. Reconhecer e preservar os conhecimentos tradicionais e a sabedoria espiritual em todas as culturas que contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
c. Garantir que informações de vital importância para a saúde humana e para a proteção ambiental, incluindo informação genética, estejam disponíveis ao domínio público.

III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA

9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social, econômico e ambiental.

a. Garantir o direito à água potável, ao ar puro, à segurança alimentar, aos solos não contaminados, ao abrigo e saneamento seguro, distribuindo os recursos nacionais e internacionais requeridos.

b. Prover cada ser humano de educação e recursos para assegurar uma subsistência sustentável, e dar seguro social [médico] e segurança coletiva a todos aqueles que não são capazes de manter-se a si mesmos.

c. Reconhecer ao ignorado, proteger o vulnerável, servir àqueles que sofrem, e permitir-lhes desenvolver suas capacidades e alcançar suas aspirações.


10. Garantir que as atividades econômicas e instituições em todos os níveis promovam o desenvolvimento humano de forma eqüitativa e sustentável.
a. Promover a distribuição eqüitativa da riqueza dentro e entre nações.
b. Incrementar os recursos intelectuais, financeiros, técnicos e sociais das nações em desenvolvimento e aliviar as dívidas internacionais onerosas.
c. Garantir que todas as transações comerciais apóiem o uso de recursos sustentáveis, a proteção ambiental e normas laborais progressistas.
d. Exigir que corporações multinacionais e organizações financeiras internacionais atuem com transparência em benefício do bem comum e responsabilizá-las pelas conseqüências de suas atividades.

11. Afirmar a igualdade e a eqüidade de gênero como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à educação, ao cuidado da saúde e às oportunidades econômicas.
a. Assegurar os direitos humanos das mulheres e das meninas e acabar com toda violência contra elas.
b. Promover a participação ativa das mulheres em todos os aspectos da vida econômica, política, civil, social e cultural como parceiros plenos e paritários, tomadores de decisão, líderes e beneficiários.
c. Fortalecer as famílias e garantir a segurança e a criação amorosa de todos os membros da família.

12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social, capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, dando especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias.
a. Eliminar a discriminação em todas suas formas, como as baseadas na raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
b. Afirmar o direito dos povos indígenas à sua espiritualidade, conhecimentos, terras e recursos, assim como às suas práticas relacionadas a formas sustentáveis de vida.
c. Honrar e apoiar os jovens das nossas comunidades, habilitando-os para cumprir seu papel essencial na criação de sociedades sustentáveis.
d. Proteger e restaurar lugares notáveis, de significado cultural e espiritual.

IV.DEMOCRACIA, NÃO VIOLÊNCIA E PAZ
13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e proporcionar-lhes transparência e prestação de contas no exercício do governo, a participação inclusiva na tomada de decisões e no acesso à justiça.
a. Defender o direito a todas as pessoas de receber informação clara e oportuna sobre assuntos ambientais e todos os planos de desenvolvimento e atividades que poderiam afetá-las ou nos quais tivessem interesse.
b. Apoiar sociedades locais, regionais e globais e promover a participação significativa de todos os indivíduos e organizações na toma de decisões.
c. Proteger os direitos à liberdade de opinião, de expressão, de assembléia pacífica, de associação e de oposição [ou discordância].
d. Instituir o acesso efetivo e eficiente a procedimentos administrativos e judiciais independentes, incluindo mediação e retificação dos danos ambientais e da ameaça de tais danos.
e. Eliminar a corrupção em todas as instituições públicas e privadas.
f. Fortalecer as comunidades locais, habilitando-as a cuidar dos seus próprios ambientes e designar responsabilidades ambientais a nível governamental onde possam ser cumpridas mais efetivamente.

14. Integrar na educação formal e aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável.
a. Oferecer a todos, especialmente a crianças e a jovens, oportunidades educativas que possibilite contribuir ativamente para o desenvolvimento sustentável.
b. Promover a contribuição das artes e humanidades assim como das ciências na educação sustentável.
c. Intensificar o papel dos meios de comunicação de massas no sentido de aumentar a conscientização dos desafios ecológicos e sociais.
d. Reconhecer a importância da educação moral e espiritual para uma subsistência sustentável.

15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.
a. Impedir crueldades aos animais mantidos em sociedades humanas e diminuir seus sofrimentos.
b. Proteger animais selvagens de métodos de caça, armadilhas e pesca que causem sofrimento externo, prolongado o evitável.

16. Promover uma cultura de tolerância, não violência e paz.
a. Estimular e apoiar o entendimento mútuo, a solidariedade e a cooperação entre todas as pessoas, dentro das e entre as nações.
b. Implementar estratégias amplas para prevenir conflitos violentos e usar a colaboração na resolução de problemas para manejar e resolver conflitos ambientais e outras disputas.
c. Desmilitarizar os sistemas de segurança nacional até chegar ao nível de uma postura não-provocativa da defesa e converter os recursos militares em propósitos pacíficos, incluindo restauração ecológica.
d. Eliminar armas nucleares, biológicas e tóxicas e outras armas de destruição em massa.
e. Assegurar que o uso do espaço orbital e cósmico mantenha a proteção ambiental e a paz.
f. Reconhecer que a paz é a plenitude criada por relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, outras culturas, outras vidas, com a Terra e com a totalidade maior da qual somos parte.

O CAMINHO ADIANTE
Como nunca antes na história, o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Tal renovação é a promessa dos princípios da Carta da Terra. Para cumprir esta promessa, temos que nos comprometer a adotar e promover os valores e objetivos da Carta.

Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de interdependência global e de responsabilidade universal. Devemos desenvolver e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida sustentável aos níveis local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança preciosa, e diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de realizar esta visão. Devemos aprofundar e expandir o diálogo global gerado pela Carta da Terra, porque temos muito que aprender a partir da busca iminente e conjunta por verdade e sabedoria.

A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode significar escolhas difíceis. Porém, necessitamos encontrar caminhos para harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com o bem comum, objetivos de curto prazo com metas de longo prazo. Todo indivíduo, família, organização e comunidade têm um papel vital a desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os meios de comunicação, as empresas, as organizações não-governamentais e os governos são todos chamados a oferecer uma liderança criativa. A parceria entre governo, sociedade civil e empresas é essencial para uma governabilidade efetiva.

Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo devem renovar seu compromisso com as Nações Unidas, cumprir com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes e apoiar a implementação dos princípios da Carta da Terra com um instrumento internacional legalmente unificador quanto ao ambiente e ao desenvolvimento.

Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência face à vida, pelo compromisso firme de alcançar a sustentabilidade, a intensificação da luta pela justiça e pela paz, e a alegre celebração da vida.
-
[Texto de Leonardo Boff_Civilização Planetária_Ed.Sextante]