sexta-feira, 19 de março de 2010

O IMPACTO DE IMAGENS


O poder de nossa própria mente e de nossos pensamentos é realmente muito grande. Muita gente, demais, nega a falha em explorar o vasto potencial e poder que cada um de nós possui no âmago do seu próprio ser. Mas, para estudantes de misticismo, o uso da mente e das faculdades interiores é uma ferramenta indispensável que pode ser empregada para enriquecer nossa vida e para alcançarmos a paz, sucesso e felicidade.

Cientistas e médicos há muito têm reconhecido o impacto da mente na eficácia de placebos. Um placebo é uma substancia [seja em forma de pílula, cápsula, ou qualquer outra coisa] que não tem ação farmacológica ou ação medicalmente efetiva conhecida. Num estado de placebo, pacientes hospitalizados com úlceras hemorrágicas tiveram uma melhoria duradoura quando médicos injetaram água destilada neles, assegurando-lhes ao mesmo tempo que se tratava de um novo remédio que as curaria. Obviamente, as expectativas dos pacientes desempenharam um papel importante.

Num outro estudo, foi dada aos pacientes uma droga que normalmente induziria náuseas e vômito. Mas foi dito aos pacientes que aquela droga ‘sustaria’ os sintomas de náuseas e vômito que eles vinham apresentando. E, o que é muito interessante,sustou mesmo!

Pode-se concluir disso que mesmo um placebo, ou uma droga sem efeito, pode se tornar um ‘símbolo’ de cura. O símbolo desencadeia no paciente uma visualização criativa. O fato de que esse símbolo, ou essa suposta droga foi ministrada ao paciente por um médico dá autoridade à visualização que o paciente faz da eficácia curativa da droga.

Todos já tivemos a experiência do efeito que a mente pode ter sobre o corpo. Quando estamos assustados, nossa respiração fica mais rápida e nosso batimento cardíaco aumenta. Podemos sentir revoluções no estomago ou podemos transpirar profundamente. Essas reações, mencionadas como ‘respostas de lutar ou fugir’, preparam o corpo para a ação de enfrentar situações ameaçadoras. Além disso, o fenômeno de corar e a excitação sexual são outros exemplos de resposta do nosso corpo a uma situação que ocorre e é percebida na ‘mente’. Com efeito, nosso corpo reage a despeito de a situação ter realmente ocorrido ou ser apenas uma imagem mantida na mente.

VALOR DA RELAXAÇÃO
Assim como todos já tivemos a experiência dos sentimentos de medo, também já tivemos dos sentimentos associados à relaxação. Quando estamos relaxados, quase todas as células do corpo podem também relaxar e reduzir seu ritmo metabólico. O consumo de oxigênio e o lactato do sangue também diminuem. Como sabemos que estresse crônico e emoções fortes como medo, raiva, ansiedade e desespero, podem levar a doenças de estresse, tais como hipertensão e problemas cardíacos, podemos perceber o valor da relação para reduzir a suscetibilidade a essas doenças.

A capacidade de visualização, uma ferramenta tremendamente poderosa, é altamente reforçada quando a pessoa se encontra num estado de profunda relaxação. Os ensinamentos místicos/filosóficos, contêm um método todo de concentração simples mas eficaz, que promove a relaxação profunda. Depois que uma pessoa experimentou esse estado profundamente relaxado várias vezes, ela pode simplesmente visualizar-se nesse estado e muito rapidamente alcançá-lo. A capacidade de visualização é muito poderosa nesse estado. A pessoa poderia, por exemplo, visualizar um cubo de gelo em uma das mãos e uma batata quente na outra e sentir que houve uma mudança mensurável de temperatura nas duas mãos.

Analogamente, um individuo poderia aumentar seu batimento cardíaco apenas visualizado-se correndo atrás de um trem.É interessante notar que, se a pessoa tentasse forçar essas mudanças, elas dificilmente aconteceriam. Mas, visualizando, torná-se fácil. Mesmo alterações de imunidade e mudanças celulares podem ser provocadas por visualizações positivas em estado relaxado.

Um famoso experimento relacionado com a visualização foi feito com três grupos de jogadores de basquete, nenhum dos quais jamais praticara visualização. O experimento consistia em fazer três lances. O primeiro grupo praticou todos os dias, durante três semanas. O segundo não fez nada durante três semanas. O segundo não fez nada durante três semanas. O terceiro não praticou mas passou vinte minutos por dia ‘visualizando’ lances com acerto na cesta. No final do período, aqueles que tinham praticado diariamente mostraram uma considerável melhora. Como era de esperar, o grupo que não praticou não mostrou melhora nenhuma. Mas o grupo que ‘apenas visualizou’ demonstrou quase tanta melhora quanto o que praticou!

VISUALIZAÇÃO E CURA
Muitos dos antigos filósofos que contribuíram para as grandes tradições místicas acreditavam que nossas visualizações são responsáveis pelas condições de nossa vida e que nossas crenças e visualizações se manifestam como saúde ou como doença, no corpo físico. Mas recentemente, desde o começo deste século, a medicina também começou a explorar o considerável papel que a mente e visualizações desempenham na cura.

Com efeito, com freqüência se produz tensão em nosso corpo em conseqüência de ‘visualizações’ inconscientes. Algumas de nossas crenças e realidades arraigadas são limitadas, isto é, não correspondem ao que realmente ‘existe’. Como acreditamos tão fortemente em nossas realidades, tentamos defendê-las e encontrar apoio para elas, mesmo que elas estejam fora de harmonia com a verdade. Isso pode ser uma fonte de continua tensão no corpo.

Dada a importância da visualização e de seu efeito no corpo, surgem muitas questões. Que espécie de visualização praticamos diariamente? Que arraigadas imagens, crenças e conceitos, visualizações e imagens mais poderosas permitimos que aflorem diariamente das profundezas de nossa consciência?

Vemos a nós mesmos como pessoas bem-sucedidas ou como fracassos? É nossa imagem de nós mesmos bonita ou feia? É gorda ou magra? É competente ou incompetente? É sadia ou doentia? É confiante ou insegura? Estamos relaxados ou nos sentimos capturados em circunstancias difíceis ou irremediáveis?

Nossas imagens interiores tem profundo impacto sobre nosso corpo, nossa saúde e nossa vida. É extremamente vantajoso desenvolvermos a habilidade de visualizar, bem como de empregar plenamente nossas faculdades de imaginação e intuição. Pelo uso do nosso vasto potencial de aptidão interior, podemos criar condições sadias e harmoniosas dentro de nós mesmos e no mundo.

Aquilo que a mente imagina tem forte impacto sobre o corpo. Essa influencia diretora tanto pode ser construtiva como destrutiva. Pode nos elevar ao nosso mais alto potencial, ou nos fazer mergulhar nas profundezas da doença e do desespero. A escolha de imagens é nossa.
-
[Dennis Kwiatkowski]

É SÓ QUERER


A afirmação constante de que vivemos uma época de grande turbulência, cujas causas não são difíceis de detectar, não constitui nenhuma novidade. Período de transição de uma civilização em constante mudança, tem revelado surpreendentes acontecimentos por um lado, e, por outro, a propagação de elementos perturbadores do ser humano – individual e coletivamente considerado – decorrente da flagrante inversão de valores sócio-econômicos, do desequilíbrio psicosocial, da eliminação de barreiras preestabelecidas pela moral vigente, do enfraquecimento da educação e, conseqüentemente, do ser humano considerado em seu desenvolvimento.

Nesse volume de tumultuos nos quais o mundo se debate, configura-se a quase predominância de descontentamentos, revoltas, insatisfações generalizadas, brutalidades, enfim, tudo aquilo que foge aos padrões mais elevados do comportamento e da vida do ser humano e que somente a Educação, em termos holísticos, pode proporcionar.

O desencorajamento e a insatisfação verificados nos dias que correm na maioria dos países, seriam, se não eliminados, pelo menos suavizados, se nos detivéssemos na apreciação dos privilégios e bênçãos que o Cósmico sempre nos permitiu e permite desfrutar.

Pensamentos e esforços unificados e congregados formarão uma onda psíquica ao redor do mundo que, dessa forma, será aliviado e em melhores condições de preparar o advento de uma renovação indefectível e, quem sabe, de uma verdadeira redenção e assim, como uma forte corrente, a humanidade e a Natureza - reflexo da mente atuante do Criador, “a parte feminina de Deus” – proporcionariam benefícios muito maiores.

Essa união não seria difícil se prevalecesse a Vontade de se observar as leis da natureza em operação, e obedecê-las, obviamente. Aliás, a natureza e a consciência do homem não são constituídas da mesma forma do universo?

Eternos buscadores da Verdade, somos os buscadores de Deus, na realidade. E nesse caminhar ininterrupto, preparando, ao mesmo tempo, para adquirir o domínio da vida, vamos prestando exames – após freqüentar com assiduidade e aproveitamento – na “Faculdade Superior de Vivências Terrenas” inspirada pela Sabedoria Cósmica. Transpondo os sucessivos obstáculos que se nos apresentam pela vida afora, vamos nos elevando, progressivamente, a níveis de consciência cada vez mais altos.

Nessa longa aprendizagem, a educação pode desempenhar um papel preponderante, constituindo-se em um dos maiores veículos – se não o maior – da diluição de gotas de luz derramadas pelos princípios e ensinamentos dos Mestres Cósmicos.

Afinal, para que viemos a este mundo, senão para aprender?! Aprendemos com os amigos e, principalmente com os inimigos; aprendemos com as crianças, com os jovens e com os adultos; aprendemos com as plantas e com os animais, se tivermos ‘olhos de ver’. Ainda que o processo de aprendizado não seja continuo e possa não ser consciente, seus resultados são sempre positivos, construtivos, e alimentam com as experiências vivenciadas a personalidade em desenvolvimento, exatamente como a borboleta, que suga o néctar de uma corola, para se alimentar.

Se, por um lado, somos envolvidos por incontáveis oportunidades de reflexão, por outro, nossa capacidade de compreensão é, com muita freqüência, desafiada pela infinidade de problemas para os quais ainda não encontramos solução, ou que ainda não conseguimos entender.

Em todos os momentos de nossa vida temos oportunidade de refletir sobre um dos mais importantes legados que o grande filósofo caldeu, Hermes Trismegistos, deixou para a humanidade: “como é embaixo, é em cima”. Precursor de tantos ensinamentos místicos, fez-nos compreender o ‘microcosmo’ pelo conhecimento do ‘macrocosmo’. Podemos dizer que o primeiro é o segundo em tamanho menor, infinitamente menor. Um pode explicar o outro, tanto do ponto de vista físico, tangível, visível e material, como do ponto de vista espiritual, intangível, invisível e imaterial. Em decorrência disso é que o homem, cópia microscópica do Macrocosmo, é reconhecido pelo místico como dotado de potencialidades infinitas e divinas.

O campo esotérico, ou o místico, oferece raras oportunidades de aprimoramento da percepção mística, da realidade espiritual e do conhecimento de novos caminhos, mais seguros, mais claros e, conseqüentemente, mais fáceis de trilhar. Na verdade, temos muito que aprender, já que é inesgotável a fonte, o manancial das verdades divinas,e, o que é mais importante, fomos dotados de extraordinário potencial para alcançá-las. É SÓ QUERER.
-
[Texto de Rimoli de Faria Doria].

quinta-feira, 18 de março de 2010

A Dieta Metafísica


Dentro de cada um de nós há uma voz sábia. Uma boa ligação com esse guia interior pode colocar você em contato com os alimentos de que o seu corpo precisa e nas quantidades que devem ser supridas. Seu corpo é singular, diferente de qualquer outro corpo da Terra. Seu guia interior é sábio e está mais profundamente consciente das necessidades particulares do seu corpo do que qualquer médico ou especialista em dieta. Se você escutar dentro de si mesma e seguir o seu próprio guia de dieta,nunca mais vai precisar depender de mais um livro de dieta, de bebidas dietéticas, ou outras coisas do gênero.

Seguir essa voz interior pode ser uma das sensações mais agradáveis e animadoras que você venha a conhecer. Pode ates e tornar difícil comparar essa experiência com o processo por vezes desagradável da dieta normal. Você não vai ficar irritadiça nem deprimida, porque não vai precisar passar fome ou se privar de qualquer coisa que realmente deseje. Trata-se de um método em que a força de vontade e a repressão são coisas do passado. Você vai se sentir cada vez mais cheia de vigor e energia, à medida que cada célula receber mais dos elementos nutritivos que ela requer. Mas você poderá sentir uma tontura, devido à comunicação com a mente interior, enquanto estiver livrando seu corpo de pesadas impurezas. E vai perder quilos mais rapidamente do que com a maioria das dietas de moda, sem a usual tortura ou depressão dessas dietas.

INICIANDO A TRANSFORMAÇÃO
Como é que você pode iniciar essa transformadora dieta? Primeiro você precisa desejar ter êxito. Depois, deve relaxar e escutar o silencio interior. Procure fortalecer a ligação com o EU interior. Sinta a presença de um poder maior e de sua fonte interior. Pois, quando a mente não está em sincronismo com esse EU superior, o corpo, conseqüentemente, exige mais, e o resultado é que ele é superalimentado e, simultaneamente, subnutrido. Tendemos a tentar eliminar sentimentos de vazio enchendo o estômago.

No segundo passo, visualize como se sentiria quando estivesse mais leve e esbelta. Seja realística quanto a seus objetivos e anote isso. Por exemplo: eu vou gostar de como as roupas vão cair em mim, vou ficar melhor de maiô, e vou sentir uma crescente energia. Mantenha o realismo de suas expectativas. Procure se abster de fantasias irrealistas que não podem ser realizadas, como: minha vida vai mudar completamente; eu vou ser incessantemente convidada para sair; eu vou ser a próxima Miss Universo. Esse sonhar inútil só pode levar a desapontamento e pode resultar em comer demais por compensação. Talvez toda a sua vida não mude pelo fato de você ficar mais esbelta, mas você pode realmente esperar sentir-se mais atraente, vibrante, viva.

COMA MELHOR_ NATURALMENTE
O terceiro passo consiste em pedir orientação para montar uma lista do ‘que comer’ [alimentos recomendados pelo seu guia interior, para fins de saúde e bem-estar]. Escute, confie, e anote o que ouvir. Provavelmente você vai se ver comendo segundo uma dieta mais saudável e variada. E também se verá pensando no que comer, e não apenas pegando qualquer coisa que esteja convenientemente disponível.

A mensagem que veio para mim,do interior, falou em comer de horta e pomar. E logo eu estava comendo uma dieta mais variada e interessante, com mais alimentos escolhidos entre frutas e legumes. Quando eu comecei a descobrir todos os interessantes e estimulantes modos de preparar produtos frescos, fiquei espantada de ver como não comer outras comidas pode se tornar uma alegria, ao invés de um sentimento de perda.

Em quarto lugar, antes de cada refeição, tire um instante de silencio para introverter sua consciência. Que mensagem você ouve depois que diminuiu a tagarelice negativa do cérebro? Sinta o silencio acalmando seus inúmeros pensamentos inquietos. Agora, faça a pergunta: que devo comer?...E espere.

Você pode ficar surpresa de ver como a resposta vem clara e facilmente do seu interior. Se você está preparando uma refeição ou jantando fora, pergunte a si mesma que alimento seria melhor você servir ou pedir. A resposta virá porque seu Eu interior conhece o metabolismo do seu corpo e sabe que alimentos vão interagir com outros de modo a produzir o correto equilíbrio do seu organismo.

VOCÊ NÃO VAI PASSAR FOME
Você pára automaticamente de comer de modo insensato, quando deixa que a voz interior substitua os antigos padrões de comportamento. E comer o que é melhor para você limpa ainda mais sua audição interior, aumentando a receptividade para a orientação de dentro. Isso ajuda a restaurar o equilíbrio de sua trindade pessoal de corpo, mente e alma. E você pode então desfrutar uma ambrosia de unidade em seu próprio âmago.

A voz interior está em perfeita harmonia com seu corpo e sua mente. Se você comer somente quando seu verdadeiro EU pedir, você vai cortar calorias que são inconscientemente consumidas por modificação nervosa, lanchinhos entre refeições ou almoços apressados. Você não vai passar fome. Aí é que está a beleza de escutar. Lembre-se: se você não está com fome quando está comendo, então não está escutando. Se você pega um saco de batata frita em lugar de uma maça, não está escutando! É simples; apenas escute o silêncio da sua mente, antes de levantar o garfo.

Além disso, não fique espantada se, durante um desses momentos de silencio, essa voz interior sussurrar que você participe em algum tipo de caminhada ou exercício leve. Mais ainda, talvez você se sinta realmente compelida a fazer isso, quando, no passado, mesmo a idéia desse gênero de atividade parecia impensável. Você poderá ainda sentir a necessidade de beber mais água, para eliminar toxinas. Você chegará inclusive a se ver desejando um copo de pura água! Sucos de frutas e ervas para chás são suplementos para se ter à mão, para um corpo que está ficando mais magro ao mesmo tempo está sendo estimulado.

A luta contra o excesso de peso às vezes é chamada de ‘batalha contra a obesidade’. A sustentação de uma dieta é realmente uma batalha, travada entre as nossas fases subconsciente e consciente. Podemos ficar desligados da nossa fonte superior [nosso EU interior] por preocupações, expectativas, temores e tensões de todos os dias, e por um persistente sentimento de inutilidade. Essas disposições podem atacar inadvertidamente e criar um desejo irracional de alimento. Quando você se conscientizar de que comer demais é um sintoma de conflito entre as fases consciente e subconsciente de sua mente, seu corpo deixará de ser usado como uma campo de batalha. Você poderá então restabelecer rapidamente uma linha direta de comunicação com o seu guia interior e controlar a obsessão de escapismo pelo alimento.

PROBLEMAS DE COMER
A vigilância quanto a sinais de um comer doentio pode ajudar você a reconhecer quando a ligação com o seu guia interior foi cortada por estática subconsciente.

ð Comer por Medo: é um recurso para se evitar alguma coisa. Será que você está comendo para evitar uma decisão que deve tomar, uma situação que deve enfrentar, ou um projeto que deve completar? Se é este o caso, então escute sua voz interior para ser orientada em como enfrentar o medo e restabelecer os hábitos de alimentação corretos. Procure a causa e encontra a cura!


ð Comer Compulsivo: é o comer por medo fora de controle. As linhas de comunicação com o seu EU interior estão emaranhadas e o resultado é uma ligação defeituosa. Você pode já ter enfrentado o medo que provocou essa condição, mas a compulsão destrutiva de comer pode persistir. Desembarace aquelas linhas com pensamento tranqüilo e fortaleça sua conexão pela meditação.


ð Comer por Tédio: é geralmente uma opção mais consciente e, assim, a mais fácil de corrigir. Primeiro, faça alguma coisa contra o seu tédio. Se não sabe por onde começar, peça orientação ao seu EU interior. Dentro de trinta e seis horas você sentirá intuitivamente a resposta para sua falta de distração pessoal. Enquanto isso, não continue com a sua voracidade. Faça contato com o seu EU interior e faça força para diminuir sua peregrinação à cozinha.


ð Comer por Frustração: resulta de você se sentir ineficaz e sem controle de sua vida. A meditação ajudará você a sentir tranqüilidade, um saber sereno que sua vida tem direção divina. Uma vez que você reafirme o seu propósito, não só será capaz de restabelecer o padrão apropriado de alimentação, mas desfrutará também uma renovada consciência do seu caminho na vida.


ð Comer por depressão: é de longe o mais perigoso tipo de alimentação excessiva, porque você pode se sentir impotente e desligada de sua luz interior. Quando isto ocorrer, procure sem demora o motivo de estar se sentindo impotente e tome providências para alterar a situação. Neste caso você tem d escutar muito atentamente, não só para nutrir o corpo de maneira saudável, mas também para nutrir a alma.


ð Comer Doces: acontece quando há interferência da voz infantil do passado. Essa voz dos nossos dias de infância existe no âmago de todo adulto e pode ser confundida com o sussurro do Eu interior. Quando crianças, muitas vezes fomos recompensados e tratados com amor por meio de balas e doces. Como pessoa adulta, o fato de você dar amor a si mesma comendo doces demais é no máximo temporário, e em geral resulta num grau ainda maior de auto-sujeição quando você observa as gordurinhas se multiplicando.


ð A Mordicaçao Nervosa: relaciona-se com o estresse. Sentimos a necessidade de ter sucesso e as pressões pelo desempenho. Ás vezes parece impossível satisfazermos as nossas próprias expectativas ou as de outrem. Comer cria uma fuga momentânea. Em lugar de se aliviar com alimentação, você pode aliviar a pressão liberando suas preocupações e passando-as para o EU interior. Tudo está em estado de perfeição, mesmo que essa perfeição pareça estar em desordem. Confie e escute em seu âmago e você será bem orientada.

Comer demais é uma forma de fuga e um modo de evitar a responsabilidade pela qualidade da sua saúde. Em lugar disso você pode levar uma vida encantada por milagres e levar a bom tremo tudo o que você deseja fazer e ser. Você é Luz. Deixe seu EU interior guiá-la para o conhecimento disso, enquanto se livra dos quilos que obscurecem o seu brilho.
-
[Texto de Paula R. Raskin]

quarta-feira, 17 de março de 2010

History Channel - Guerra climatica (HAARP)


History Channel - Guerra climatica (HAARP)
Parte1

-

Parte 2


-
Parte 3


-
Parte 4


-
Parte 5


-

Semeadura de nuvens e o desastre britânico

Logo após a Segunda Guerra Mundial (em inglês), o governo britânico ainda estava procurando maneiras de passar a perna nos inimigos militares.
Os Nazistas haviam chegado perto da destruição da Grã Bretanha e o Reino Unido havia desenvolvido um gosto pela preparação. O governo britânico procurava por uma vantagem nos céus.
A Real Força Aérea (RAF) começou a fazer experimentos com a semeadura. Ao impregnar as nuvens com as partículas necessárias para a criação de uma forte tempestade, os britânicos poderiam, com eficácia, frustrar os movimentos das tropas e, até mesmo, literalmente, destruir com a chuva os avanços do inimigo.
Entretanto, o projeto de semeadura de nuvens deu terrivelmente errado.

Não é que os experimentos com a semeadura de nuvens não tenham funcionado. Funcionaram bem demais.

Em 2001, a British Broadcasting Corporation (BBC) investigou rumores de que a RAF havia semeado as nuvens sobre a Inglaterra. Eles apareceram com relatos em primeira pessoa de alguns dos pilotos que estiveram envolvidos em uma missão ultra-secreta chamada de Operation Cumulus [Operação Cúmulo].
Durante esta operação em agosto de 1952, pilotos da RAF voaram sobre a linha das nuvens, deixando cair cargas de gelo seco, sal e - como os chineses usam hoje em dia - iodeto de prata.
Depois de apenas 30 minutos, a chuva começou a cair das nuvens infectadas. A princípio, os pilotos da RAF - chamados de fazedores de chuva pela imprensa - pelo que dizem, celebraram seu sucesso. Todavia, dentro de uma semana, teve início um dilúvio.
Por volta do final do mês, North Devon, uma área da Inglaterra próxima ao local do experimento com a semeadura de nuvens, vivenciou a quantidade de chuva multiplicada por 250 do normal [fonte: BBC (em inglês)].

Em 15 de agosto de 1952, o dia em que a chuva começou, uma quantidade estimada de 90 milhões de toneladas de água corria através da cidade de Lynmouth em apenas um dia [fonte: The Guardian].
Árvores inteiras foram arrancadas pelas raízes, formando acúmulos de água e permitindo que a maré dos dois rios com curso através de Lynmouth ficasse ainda mais forte. Grandes pedras foram carregadas pela corrente, destruindo edifícios e carregando residentes para dentro do mar. No total, 35 bretões perderam suas vidas naquele dia como resultado da chuva torrencial. O Ministro da Defesa da Grã Bretanha sustenta que o país não havia feito nenhum experimento com semeadura de nuvens antes do incidente de Lynmouth.

Projeto Haarp, finalidade: explorar e manipular o clima para ações em guerra até 2025. Portanto, aquecimento global, é uma inverdade, o que estamos vivenciando é, o experimento/uso do clima como armas de guerra.

terça-feira, 16 de março de 2010

Desenvolvendo a Sensitividade


A sensibilidade acentuada de algumas pessoas para detectar as características da aura humana de outras pessoas é considerada um fenômeno de supersensitivade.

Poder captar as vibrações transmitidas pela maior ou menor proximidade de outros constitui-se num fator de conhecimento, que pode auxiliar em muito a análise que estamos fazendo dos que nos cercam.

Todavia essa ‘sensitividade’ manifesta-se em graus diferentes entre nós, e não é tanto uma questão de desenvolvimento mental, mas sim de desenvolvimento da sensibilidade psíquica. Podemos aumentar em muito esta sensitividade, embora estejamos até alheios ao processo de como as coisas acontecem.

Tenho assistido a algumas reuniões de pessoas que analisam para outras, o que elas transmitem, seus anseios, suas preocupações, dados do passado e, em alguns casos, elementos do seu futuro. Parece-me que a atitude dos supersensitivos é de colocarem-se num estado relaxado passivo, desligado de sua vida pessoal e, desta forma, conseguem ‘ouvir’ e receber impressões emanadas de outra pessoa.

Em geral, os supersensitivos são pessoas simples, despretenciosas, sem maiores ambições, sem desejos significativos, mas que esperam poder servir ao seu semelhante. Ao entrevistar pessoas que possuem tal faculdade desenvolvida, tenho constatado que são extremamente dóceis e sua passividade no sentido de uma mente aberta, sem bloqueios ou restrições e acostumadas a se posicionar como se o seu ser fosse um receptáculo para onde convergem as emanações dos outros. Na verdade, duas senhoras supersensitivas com quem tenho conversado, uma de formação católica, outra de formação espírita, não sabem por que têm o poder da sensibilidade, nem fazem qualquer preparação ou esforço dirigido, quando estão ‘sentindo’ os seus clientes. Colocam-se à vontade, e começam falando de tudo que estão captando, muitas vezes com os olhos fechados, como se fossem um canal de rádio, sintonizado na freqüência da aura de seu consultor, ampliam as sensações recebidas, parecendo que seu corpo funciona como uma grande antena. Assim, na fusão das duas auras, a sua própria aura estaria receptiva às vibrações da outra aura.

Analisando os diálogos mantidos com elas, a melhor conclusão que apresento é de que tais sensitivos posicionam-se como se fossem crianças, num estado de muita pureza. Coincidentemente, este é o ensinamento bíblico de Jesus, para que ‘nos tornemos puros como as criancinhas’, e de forma que através de nosso Ser possa a Consciência Divina se manifestar. Deus fala pela boca da criança, que não está armada das barreiras e restrições do mundo em que vivemos. Em geral usamos o nosso consciente para nos proteger de influencias estranhas ou agressivas e colocar-nos em estado de defesa, o que vai impedir também que possamos sentir a aura de outros, que pode estar mais ou menos próxima de nós.

A ‘radiestesia’ amplia através de um pendulo as sensações que emanam do subconsciente da pessoa com quem estamos em contato, e desta forma tornas essas sensações visíveis aos nossos olhos. Adquirida alguma prática desta técnica, podemos também com uma fotografia ou retrato de uma pessoa conhecer muito de seu interior, como se estivéssemos em contato pessoal, captando sua própria aura. Há outras formas também de tomarmos conhecimento das vibrações de auras, como através de um pote com água, da concentração numa esfera cristalina ou sólida transparente, de modificações de imagens em espelhos, etc. De uma certa forma, desenvolver a sensibilidade para o contato direto com outras personalidades, é um despertar mais profundo de sua capacidade sensitiva.

Creio que podemos experimentar, a cada momento, sempre que uma aproximação de outro Ser entre na faixa de sintonia com nossa aura. Se conseguirmos observar e registrar num caderno o que conseguimos captar, depois de certo tempo, teremos informações que nos indicarão que a nossa sensibilidade pode ser aumentada.

Realço a experiência que tenho com pessoas ditas supersensitivas: “devemos voltar a ser crianças”, puros, abertos, sem reservas de qualquer espécie, permitindo que a nossa própria aura se expanda sem medos ou temores, e sem as proteções que desejamos até inconscientemente para nós próprios. É preciso experimentar muito de como adotar tais atitudes “Sinceramente” para que possamos ser “Sensitivos”. Devemos considerar que é tudo uma questão de “Sentir”, nada tem a ver com pensar, raciocinar ou estar intelectualmente evoluído. Para se sentir através do nosso ser não existem maiores regras a não ser os ensinamentos cristãos a que já nos referimos.
_
[Texto de Charles Veja Paruker]

domingo, 14 de março de 2010

Sobre a Natureza da Confiança


O mundo de hoje está oprimido por problemas econômicos e sociais, caracterizados por um descrédito, uma falta de confiança em nós próprios, em outros e em nossas instituições. Para a média das pessoas esses problemas podem parecer insolúveis e esmagadores. Os ‘estudantes’ sabem que acontecimentos ou forças que anteriormente pareciam ameaçadores, através de compreensão podem converter-se em fatores que nos auxiliem e em instrumentos para a materialização de nossos desejos. Vamos nos unir à Grande Obra de aumentar essa compreensão, para criar maior harmonia, paz e união em nossa vida, na vida dos outros e no mundo.

Convidamos o leitor a explorar conosco a natureza confiança, o modo em que ela nos advém e nos influencia. Para isto, utilizaremos uma versão do Processo de Pensamento, especificamente desenvolvido para manifestar confiança às nossas experiências. Tendo confiança, podemos realizar nossos desejos.

O processo de ‘Pensamento’, consistindo em Concentração, Contemplação e Meditação, faz uso de uma série de experiências e perguntas a exploração dos vários níveis da consciência objetiva e subjetiva. Pela utilização desse processo, podemos integrar nossos mundos interior e exterior, dando ensejo a um maior sentimento de integração e confiança.

Em nosso exercício, começaremos por vivenciar algo da natureza da confiança. Ao fazermos isso, nosso objetivo será o de observarmos ou prestarmos atenção aos nossos sentimentos e sensações corporais. Queira tomar uma inspiração profunda. Como é que você está se sentindo neste exato momento? Observe, por exemplo, seu ritmo cardíaco, a sua respiração e outras sensações corporais. Você se sente pesado ou leve, sente frio ou calor, auto-contido ou expansivo?Quais são os sentimentos que você está vivendo agora: Qualquer que sejam eles, respire profundamente e deixe que eles se expandam e se intensifiquem. Este é o ponto primordial, o começo para você. Vamos agora abordar a confiança através de três experiências. Após cada exercício, para alguns instantes, analise a sua experiência e, tomado de caneta e papel, faça uma breve descrição de sua experiência, seus sentimentos e sensações.

A EXPERIÊNCIA
Exercício A_ Recorde-se de um momento em que teve algum sucesso, um momento de realização pessoal m que você fez alguma coisa bem feita. Que efeitos essa experiência tem sobre a sua auto-estima, sua auto-confiança, sua capacidade de confiar em si mesmo e nos outros? Se lhe pedissem para realizar a mesma coisa, como é que você se sentiria? Teria agora o mesmo sucesso de então? Enquanto vivencia essa recordação,observe seus sentimentos.

Respire profundamente e permita que seus sentimentos se intensifiquem. Quando tiver terminado, faça uma pausa e escreva brevemente seus sentimentos e experiências.

EXERCÍCIO B_ Agora lembre-se de alguma ocasião em que fracassou numa coisa importante, um momento em que você percebeu que fez algo ‘errado’. Como é que você se sente? Que efeitos essa experiência tem sobre a sua auto-estima, sua autoconfiança, sua capacidade de confiar em si mesmo e nos outros? Você faria a mesma coisa outra vez? Para realizar aquele objetivo, procederia do mesmo modo ou mudaria seu procedimento? Sente você que é mais fácil recordar sucessos ou fracassos? Que é que isto lhe revela acerca de você mesmo? Como é que você se sente agora? Respire profundamente e permita que seus sentimentos se intensifiquem. Continue observando os sentimentos que lhe ocorrem. Quando tiver terminado, faça uma pausa e escreva brevemente seus sentimentos e experiência.

EXERCÍCIO C_ Agora imagine como seria se você fosse uma semente – uma semente que começa a germinar, despertando para o mundo, revelando potenciais que estavam adormecidos, latentes em seu interior. Você não sabe de que modo a vida desabrochará de dentro de você: como uma raiz, um caule, uma folha, um botão, uma flor. Como é que você se sente ao vivenciar as surpresas que ocorrem à medida que você desabrocha e é arrebatado pela experiência da vida? Que efeitos essa experiência tem sobre sua auto-estima, sua auto-confiança, sua capacidade de confiar em si mesmo e nos outros? Respire profundamente e permita que seus sentimentos se intensifiquem. Identifique-se com os seus sentimentos à medida que continua se desenvolvendo. Quando tiver terminado, faça uma pausa e escreva brevemente seus sentimentos e experiência.

Agora amplie seus sentimentos de modo que envolvam a experiência completa de confiança: Semente, Fracasso, Sucesso. Compare os sentimentos que teve como semente em germinação, como fracasso e como sucesso. Que efeito essa compreensão ampliada decorrente dos sentimentos das três experiências exerce sobre a sua auto-estima, sua auto-confiança, sua capacidade de confiar em si mesmo e nos outros? Uma vez mais respire profundamente e permita que seus sentimentos se intensifiquem. Quando tiver terminado, faça uma pausa e escreva brevemente o sentimento e a experiência globais dos três exercícios. Você irá agora analisar essas experiências, respondendo algumas perguntas. Escreva suas respostas num papel, numere-as e guarde esse papel para futura referência pessoal.

AUTO-ANÁLISE

1- Faça um sumário das experiências que teve em cada uma das três partes: sucesso, fracasso e semente em germinação. Qual foi a mais excitante, a mais agradável, a menos agradável?

2- Que é que aprendeu sobre a confiança nessas três experiências? Se o que você aprendeu puder ser representado numa figura, como é que ela seria? Desenhe-a.

3- Qual é o principio subjacente, a verdade fundamental, que você vivenciou a respeito da confiança? Exprima essa verdade em poucas palavras.

4- Esse principio atua em você, em outras pessoas, em animais, em toda a natureza?

5- Esse principio opera de modo diferente no sucesso, no fracasso, na semente que germina? Sinta o processo operando aqui. Que é ele? Descreva o modo em que esse principio, essa verdade fundamental, opera.

6- A experiência que teve com os três exercícios alteraram de algum modo suas idéias a respeito da confiança? Em caso afirmativo, descreva essas alterações.

7- Que é que a confiança faz por você? “Tendo confiança eu posso...eu consigo...eu sou...”
8- De que modo você pode utilizar em sua vida diária o conhecimento adquirido durante a sua experiência com a confiança?

9- Complete a seguinte afirmação: Utilizando a minha nova compreensão da confiança, quero que as seguintes coisas especificas aconteçam durante as próximas duas semanas:...

10- Tendo decorrido as duas semanas, complete a seguinte afirmação: Como conseqüência do meu novo grau de compreensão da confiança, aconteceu comigo o seguinte:...

-
[Texto de: George F.Buletza, Ph.D].