segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Como Devemos Buscar Aquilo que Perdemos


1] A nós é particularmente imposto, a nós outros homens neste mundo, buscarmos novamente aquilo que perdemos. Agora, se queremos encontrar, não precisamos buscar fora de nós mesmos.

2]Não temos necessidade de aduladores nem de malabaristas que nos encorajem e nos prometam montanhas de ouro para que desejemos tão-somente segui-los e fazê-los brilhar.

3]E quando eu tiver por toda a minha vida assistido e escutado sermões, e ouvido sempre cantos e raciocínios sobre o céu e sobre o novo renascimento, e tiver sido entregue a mim mesmo, não terei progredido em nenhuma dessas circunstancias.

4] Quando se lança uma pedra na água e depois se a retira, ela continua a ser uma pedra dura e conserva a sua forma; mas se ela é jogada no fogo, então adquire uma nova forma em si mesma.

5]Assim acontece contigo, ser humano, mesmo que corras á igreja e desejes ser visto como um ministro do Cristo; isto não é absolutamente suficiente. Entregue a ti mesmo, és como eras antes.

6] Também não é absolutamente suficiente que aprendas todos os livros de memória, e quando passares os dias e os anos a ler todas as escrituras, e quando souberes a Bíblia de memória, não serás melhor perante Deus do que um tratador de porcos, que durante todo esse tempo tratou de porcos, e do que um pobre prisioneiro das trevas, que durante todo esse tempo não viu a luz do dia.

7]De nada te serve tagarelar, mesmo que saibas falar muito de Deus, se desdenhas a simplicidade, como o fazem os hipócritas sobre a besta do Anticristo, que obstruem a luz àqueles que enxergam, como isto aconteceu neste caso. Aqui se aplica o que disse Cristo: “a menos que vos convertais e que vos tornei crianças, não vereis eternamente o reino dos céus. Deveis ser gerados de novo, se quereis ver o reino de Deus”. Eis a verdadeira meta.

8] A arte da eloqüência de nada servem aqui e não precisas de livros nem de destrezas;nisso um pastor de carneiros é tão sábio quanto um doutor e às vezes muito mais. Pois ele se lança antes por sua própria razão na misericórdia de Deus e não tem uma grande dose de intelectualidade; isso porque ele não se guia por esta via, mas simplesmente vai com o pobre publicano ao templo de Cristo, ao passo que o erudito coloca primeiro adiante de si mesmo uma academia e examina preliminarmente com que espírito deverá entrar no templo de Cristo; consulta antes de tudo a opinião dos homens. Queres então buscar Deus com essa ou aquela opinião? Um tem a opinião do Papa, outro a de Lutero, um terceiro a de Calvino, um quarto a de Schwenckfelds, e assim por diante. As opiniões não tem fim.

9] Assim a pobre alma permanece na duvida fora do templo do Cristo; bate à porta, busca e cada vez mais duvida de que seja esse o verdadeiro caminho.

10] Ó tu, alma errante em Babel, que fazes? Afasta-te de todas as opiniões, seja qual for o nome que elas tenham neste mundo. Todas elas não passam de um combate a razão.

11] Não se encontra o novo renascimento nem a nobre pedra no combate, nem em nenhuma sabedoria da razão; deves abandonar tudo o que é deste mundo, por mais brilhante que seja, e entrar em ti mesmo; não fazer outra coisa que reunir num monte teus pecados, com que estás envenenado, e lançá-los na misericórdia de Deus e te evolar para Deus, pedindo-lhe que os esqueça e que te ilumine do Seu espírito.

12]Não há necessidade de discutir muito, mas apenas de ser firme; pois o céu deve se fender e o inferno estremecer, e isto também acontece. Lá deves lançar todos os teus pensamentos com a tua razão,e tudo aquilo que se apresente a ti em teu caminho, a fim de que não desejes deixá-lo (a Deus), sob pena de que ele não te abençoe, como a Jacó, que assim combateu com Deus toda a noite. Mesmo que a consciência diga não, Deus não quer nada de ti.

(Dize):- Quero ser teu; não te deixarei quando me estenderem no tumulo. Que minha vontade seja tua, eu quero aquilo que queiras, Senhor; e mesmo quando os demônios te cerquem, e digam, pára, uma vez chega, é preciso que digas: - Não, meu pensamento e minha vontade não se separarão de Deus, devem permanecer eternamente em Deus; seu amor é maior do que todos os meus pecados. Se vós, diabo e mundo, tendes o corpo mortal como prisioneiro, eu tenho o meu Salvador e meu Regenerador em minha alma; ele me dará um corpo celestial que durará eternamente.

13]Assim, experimenta somente isso e encontrarás maravilhas; logo receberás em ti um que te ajudará a lutar, a combater e a orar; e mesmo quando n ao possas dizer muitas palavras, não é nisso que a coisa consiste, desde que possas tão somente dizer a palavra simples do publicano: ‘ - ah, Deus, tende piedade de mim, pobre pecador’. Mas quando a tua vontade, com toda a tua razão e teus pensamentos forem depositados em Deus, não te separaras Dele, mesmo quando a alma deva se separar do corpo; cruzarás a morte, o inferno e o céu, e entrarás no templo do Cristo a despeito de todos os demônios . A ira de Deus não te poderá deter, por maior e mais poderosa que ela seja em ti; e quando o corpo e a alma queimem na cólera e estejam no meio do inferno entre todos os demônios. Podes no entanto sair de lá e entrar no templo de Cristo, onde receberás a coroa de pérolas aliada à nobre e digna pedra, a pedra angular dos filósofos.

14] Mas abe que o reino do céu está semeado em ti e é pequeno como um grão de mostarda. Receberás uma bem grande jóia da coroa angelical, mas tem cuidado, não a coloques sobre o velho Adão, ou te acontecerá o que aconteceu a Adão. Guarda o que tens. O sofrimento da necessidade é um mau hospede.

15]De um pequeno ramo vem afinal uma árvore, se ele é plantado em campo fértil. Diversos ventos frios e rudes vão se lançar impetuosamente contra o ramo até que ele cresça e se torne uma árvore, há de vacilar. Deves ser exposto à árvore da tentação e também ao desprezo no deserto desse mundo; se não o suportas, nada consegues. Se arrancares o ramo, farás como Adão e tornarás a coisa mais difícil que na primeira vez, mas ele crescerá no jardim de rosas, a despeito do velho Adão. Pois houve um tempo muito depois de Adão, até a humanidade do Cristo, em que a árvore de pérolas se insinuou secretamente por baixo do véu de Moisés, e no entanto ele tornou-se uma árvore em seu tempo, com belos frutos.

16] E se tiveres tombado e perdido a bela coroa, não desesperes; busca, bate à porta, retorna e faze como antes, e verás com que espírito essa mão escreveu. Receberás em seguida uma árvore em lugar de um ramo e dirás:” será que meu ramo se tornou uma arvore durante o meu sono? “ Reconhecerás então de imediato a pedra dos filósofos. Atenta bem para isto.


_
Capitulo VII do livro de Jacob Boehme, “ Da Vida Trina do Homem, Segundo o Mistério dos Três Princípios da Manifestação Divina“.
Edição de 1682, traduzida do alemão em 1793 pelo “ Filosofo Desconhecido “.

Nenhum comentário:

Postar um comentário