quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Transcendência Incognoscível

Tao é a Fonte do profundo silêncio.
Que o uso jamais desgasta.
É como uma vacuidade,
Origem de todas as plenitudes do mundo.
Desafia as inteligências aguçadas.
Desfaz as coisas emaranhadas,
Funde em uma só todas as cores,
Unifica todas as diversidades.
Tao é a Fonte do profundo silêncio.
Atua pelo não-agir.
Ninguém lhe conhece a origem,
Mas é o gerador de todos os deuses.


Explicação: Qualquer finito em demanda do Infinito está sempre a uma distância infinita. Nenhum cognoscente finito poderá compreender o incognoscível do Infinito.

Tao, a Realidade, o Todo, o Transcendente, se nos apresenta como se fosse o Nada, porque aos olhos de nosso Algo humano, o Todo da Divindade, parece ser absoluta vacuidade.

Nenhuma inteligência analítica pode abranger a Realidade Infinita. Tudo que a inteligência explica, implica ou complica, é desfeito, num instante, pela visão intuitiva da Realidade.

O prisma multicor das coisas finitas, que os sentidos percebem e a inteligência analisa, é projeção da Luz Incolor do Infinito.

Todas as coisas várias que o homem percebe e concebe na zona do Verso, são o Uno da Realidade de Tao, que foi vertido [verso] nesses efeitos.

Tao, a Divindade não tem filiação – porque é a única paternidade. Ele é o Uno da Causa única, que  se manifesta no Verso dos efeitos múltiplos.

-
Lao-Tse_Tao Te King

Nenhum comentário:

Postar um comentário