quarta-feira, 10 de março de 2010

Introdução à Parapsicologia _ Parte 11

De todos os fenômenos psíquicos, a precognição é o mais surpreendente e perturbador. Esse fenômeno foi expresso da seguinte maneira, pelo filósofo Charles Richet:”Eu não poderia dizer que a precognição é possível; só posso afirmar que ela é uma verdade”.

A evidência da precognição é praticamente indubitável. Alguns cientistas provaram, três vezes na França e seis vezes na Rússia, que certos ratos podiam prever em que caixa seria descarregada uma corrente elétrica. Nos anos 30, o Dr. Rhine havia reunido provas suficientes da precognição, mas não as publicou por achar que a comunidade já tinha dilemas demais com a telepatia e a clarividência.

Na reunião da Sociedade Americana para o Progresso da Ciência realizada em 1971, os pesqusadores do ‘Laboratório de Sonhos Maimônides’ informaram o resultado de uma série de minuciosos experimentos que comprovavam a existência da precognição. O parapsicólogo Charles Honorton tinha se incorporado ao pessoal daquele laboratório e começou a fazer experiências com o famoso psíquico inglês Malcom Bessent, que tem uma longa história de sonhos precognitivos. As experiências foram projetadas de modo a eliminarem todos os fenômenos psíquicos exceto a precognição. Bessent deveria sonhar com um evento que seria escolhido no dia seguinte; teve êxito em cinco de oito experiências.

Os cientistas têm várias propostas sobre a precognição. Sir Adrian Dobbs sugeriu a existência de partículas de energia que denominou ‘psitrons’ [com massa imaginária], as quais funcionam numa outra dimensão do tempo. Segundo a teoria da relatividade, os ‘psitrons’ poderiam viajar indefinidamente a uma velocidade maior do que a da luz.

Willian Tiller postulou am existência de partículas que chamou de ‘perceptrons’, pelo que poderíamos supor que se trata de radiações que provêm do futuro. Outros cientistas estão pensando numa partícula chamada ‘táquion’, que tem a velocidade da luz e cuja existência foi sugerida primeiro por Gerald Feinberg, da Universidade de Columbia. Se fossem conseguidas provas dessa partícula, isto teria grandes efeitos em nossa compreensão convencional do tempo.

Muitos filósofos e cientistas têm postulado que o tempo é uma concepção humana, um sistema artificial com que medimos nossas experiências, porque nossa limitada compreensão requer essa concepção assim como uma criança precisa de linhas retas para fazer suas primeiras letras.

O MAIS EXTRAORDINÁRIO EXPERIMENTO DE PRECOGNIÇÃO

Esse experimento foi idealizado pelo Físico, Dr. Hermult Schmidt, Diretor do Instituto de Parapsicologia da Universidade de Duque e sucessor do Dr. J.B. Rhine. Seu experimento baseia-se na decomposição radioativa espontânea do estrôncio 90. A decomposição de um elemento radioativo é um dos fatos mais fortuitos de todo o universo, pois não há maneira de se antecipar quando um grupo de átomos de estrôncio 90 vai sofrer decomposição. A única coisa que se sabe é que a cada 20 anos ter-se-á destruído a metade dos átomos inatos, emitindo partículas de energia enquanto se decompõem.

Esse pesquisador usa as suas imprevisíveis radiações desse material para que se acenda uma de quatro luzes de cor num tabuleiro colocado diante do sujeito do experimento, cuja função é de registrar eletronicamente sua intuição de qual será a luz ativada pelos eventos da mecânica quântica. Antes de aparecer uma luz em particular, ninguém no universo sabe qual é a que vai se acender.

RESULTADOS

ð Primeiro teste: onze estudantes fizeram umas 10.000 conjecturas. Alguns acertaram numa proporção de 1.000 para 1 de que não era por acaso.
ð Segundo teste: três dos que se destacaram no primeiro teste fizeram 63.066 tentativas. Os resultados médios foram de uma probabilidade de 2.000 milhões para 1 de que era acaso.
ð Terceiro teste: usando sujeitos sensíveis, a probabilidade foi de 10.000 milhões para 1 de que seja acaso. Cabe salientar que tanto os resultados como os cálculos estatísticos são feitos por computador.

Esses experimentos demonstram que uma pequena porcentagem de indivíduos são capazes de se desprender momentaneamente das limitações do tempo de vigília e transcender o que chamamos de ‘presente’. O mistério está em como eles o fazem e por que obtêm resultados melhores no laboratório do que no cassino.

O Dr. Jung explicou um principio que chamou de ‘sincronicidade’, que estabelece que existe certa relação entre um evento psíquico e um evento físico. Parece que o ‘subconsciente’ tem uma tendência cega a perseguir o objetivo. Supõe-se que muitos homens de negócios e executivos tem essa faculdade parcialmente desenvolvida.

A ciência oficial está embaraçada com esse fenômeno. A chave para decifrá-lo está na interpretação do ‘tempo’. “Para entendermos o fenômeno da precognição, é essencial nos libertarmos da escravidão do tempo”.

O CONCEITO DE TEMPO
O tempo é definido como “uma função da percepção dos fatos”, e também como o lapso que transcorre entre dois acontecimentos, já que nos chega fragmento por fragmento.

A filosofia hindu estabelece que o tempo é um presente em eterno movimento. A Física moderna afirma que ele é um sistema e que no espaço-tempo há uma continuidade.

O espaço-tempo esta em toda parte. Conseqüentemente, o tempo aparece de imediato em qualquer parte e une a tudo. Qualquer alteração de suas propriedades numa de suas partes será apreendida no momento em todas as partes. Isto explica fenômenos como a telepatia e tipos de comunicação que parecem ser independentes da distância.

O que há de mais recente em experimentos sobre o tempo foi efetuado pelo astrofísico soviético Kosyrev. Diz ele que o tempo é uma forma de energia que está simultaneamente em todas as partes, “a mais importante e enigmática propriedade da natureza”. Não se propaga e,sim, aparece espontaneamente ligando-nos a tudo.

Kosyrev projetou uma série de aparelhos para estudar o tempo. Para medir algo que considera seja o tempo, utiliza um conjunto complexo de giroscópios de precisão, pêndulos assimétricos e balanças de torsão. Num dos experimentos, estica uma longa tira de borracha com uma máquina fixa em um ponto, ou efeito fixo, e uma parte ou causa móvel. Os instrumentos mostram que algo está ocorrendo nas proximidades da tira, algo que é maior no extremo de efeito do que no de causa. Kosyrev crê que o próprio tempo está se alterando e que “é fino ao redor da causa e denso próximo ao efeito”.

Por outro lado, ele observou que tudo na vida é fundamentalmente assimétrico. Percebeu que uma substância orgânica formada de moléculas que giram para a esquerda, como a terebentina, produz em seu equipamento uma reação mais forte quando ele a aproxima da tira esticada, ao passo que uma molécula que gira para a direita, como o açúcar, produz uma reação menor. Segundo ele, nosso planeta gira para a esquerda e, portanto, acrescenta energia à Via Láctea. E chegou a esta conclusão estudando as estrelas duplas, que, apesar de estarem separadas de enormes distâncias, vão gradativamente se assemelhando. As semelhanças de brilho, raio e tipo espectral não podem ser produtos da ação exclusiva dos campos de força. Kosyerv compara a união dessas estrelas com o contato telepático entre as pessoas e diz: “É possível que todos os processos dos sistemas materiais do universo sejam as fontes que alimentam a corrente geral do tempo, que, pos sua vez, pode ter influencia no sistema material”.

Charles Muses, um dos principais físicos e teóricos dos Estados Unidos, também sustenta que o tempo é energia e diz: “Chegará o dia em que veremos que o tempo pode ser definido como o padrão causal de toda liberação de energia”, e até prediz que a energia liberada pelo tempo é oscilante.

Isso significa que nada pode ocorrer sem produzir algum efeito e que,seja o que for, afeta-nos a todos porque vivemos na corrente continua do espaço-tempo. Na verdade, a idéia de que o desgaste material afeta o tempo é muito revolucionária. John Donne disse;”A morte de qualquer ser humano me diminui”, e talvez tinha razão, não porque o conhecesse ou se importasse com esse ser humano, mas porque todos fazemos parte do mesmo sistema ecológico.

De acordo com as experiências de Kosyrev, chegou-se às seguintes conclusões:

ð A energia tempo flui num molde assimétrico.
ð Nossos lados esquerdo e direito não são iguais.
ð Nossos pensamentos podem modificar a densidade do tempo.
ð O tempo é fino em torno de que transmite e denso em torno do que capta.
ð Os pensamentos transmitidos por telepatia fluem melhor em lugares geográficos densos e com pouca população, e ainda melhor no espaço exterior.

Os micróbios produzem colônias com estrutura em forma de espiral. Para se reproduzirem, tem de girar para a esquerda, pois um sistema que gira neste sentido aumenta energia, ao passo que se gira para a direita elimina energia.

Nosso mundo é um sistema canhoto [gira para a esquerda] e, como tem aumentado de energia, acrescenta tempo.

Nada está em equilíbrio no universo. O tempo transmite energia às estrelas; estas recolhem algo da energia do tempo.

O tempo tem uma propriedade tangível. Sua velocidade pode ser medida. Participa em tudo o que ocorre no universo, inclusive as coisas ou os eventos físicos. Não se propaga e, sim, está simultaneamente em toda parte.

Alguns mecanismos não conscientes arrastam essas energias para nós como eventos futuros. Casos de psicocinese e precognição.
-
[Texto de Pedro Raúl Morales]

Nenhum comentário:

Postar um comentário